terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Adília Lopes



Lisboa






Cidade branca
semeada
de pedras

Cidade azul
semeada
de céu

Cidade negra
como um beco

Cidade desabitada
como um armazém

Cidade lilás
semeada
de jacarandás
Cidade dourada

semeada
de igrejas

Cidade prateada
semeada
de Tejo

Cidade que se degrada
cidade que acaba.



 in Poemas Novos, 2006





Autor desconhecido (retirado da net), "Lisboa Naif"

Sem comentários: