sábado, 22 de dezembro de 2012

Uma Imagem, Dois Textos...


Dad, "Movimento de Asas e de Sóis"
 
 
 
São asas e sóis
que se misturam
nos sonhos que já não tenho.
Borboletas-Ícaro em queda
de asas vermelho-pôr-do-sol
que em danças-fogo sedutoras
enlouquecidas pelo calor
prometem voltar um dia
ao som deste tambor...
 
 
(SV)
 

 
 





Deixo-me trair pelas lágrimas que mais não consigo conter nos olhos. Sinto-os cegarem nesta vontade feita de gestos largos, de Inocência-Branca…


 Mãe…?! Sim? Conta-me uma História!
Uma História?
Sim, mãe, daquelas em que os Pássaros voam para terras mais quentes e levam, agarradas às suas asas, quem ainda não sabe da Vida.
Filha, porque mo pedes? 


Mãe, porque sim, porque sou pequenina…!
 



Apetece-me ir contigo, sentir o ar em que rasgas os teus sonhos e desejos. Olhas, de rosto inclinado, o horizonte. Beijo a simplicidade, a candura que te veste. Trazes, no rosto, o mar das viagens que anseio. O Mar das Viagens que vogam em mim. Tanto como temo o Último Suspiro. Branco, quem sabe. Escorrem-me as lágrimas pelo rosto. És Beleza. Fecho os olhos e vou contigo. Sinto-te-nuvem. Invade-me uma Tranquilidade feita, noutras aspirações, de invisíveis toques. Um sussurro-brisa.




Mãe…?!
Sim?
Eu vou crescer?
Sim, filha, vais crescer.
Vou ficar como tu?
Sim, se quiseres.
Sabes, mãe, tu dás-me a mão. Eu vou dar a mão, um dia?
Sim, vais.
E se eu quiser que me dês sempre a mão?
Eu não me importo, filha, mas há sempre alguém, um dia, a quem nós temos que dar a mão…





Elevas-te neste sol-sangue que adormece sob uma Manta-Segredo. Partes. Silenciosa. Olhas o presente que se torna o passado. Há uma estrela que brilha ao longe. É para lá que te moves.


 




Mãe…?!
Sim?
Posso eu hoje contar-te uma história?
Sim, podes. É sobre o quê?
Mãe, isso é surpresa, quando te deitares em conto-ta... É de um pássaro que ia com o filho debaixo do braço… e depois ia com muito frio… e então a mãe disse-lhe para ele se esconder debaixo da asa… oh, mas já estou a contar tudo, mãe… mas hoje conto eu a história… sim, mãe?
Sim, filha…




 


Olhar. O teu olhar. Há o sol. Há a Vida que nunca acaba.
 
 
(PM)



 
 


Sem comentários: