domingo, 21 de outubro de 2012

Eugénio de Andrade e Michael Arndt


Chuva


 

 

 

 

 

 
Todo o dia a chuva ocultou
o teu rosto.
Fechava os olhos para te ver.
À minha frente um céu de abril
trazido pelo teu riso
miúdo ou pelo trigo grão a grão.
Só de olhos fechados vejo
a cidade
onde te perco com eles abertos.
Assim adormeço - a chuva
acesa em lugar do teu rosto.

 

 


in Os sulcos da Sede
 

 
 
Michael ARNDT, "It Is Raining in Oberberg"

Sem comentários: